Dublin: uma cidade gelada com um coração quentinho

Dizem que dos 365 dias do ano, apenas 100 não tem céu nublado ou chuva em Dublin, na Irlanda. Eu poderia achar esse fator o pior do mundo para visitar a cidade em pleno mês de dezembro, mas acredite – Dublin também foi eleita a cidade mais amigável da Europa. Por esse motivo, os dias em que visitei a capital foram incríveis (e não menos chuvosos). Quero deixar claro aqui, como um testemunho de viagem, que Dublin foi o cenário do fim de semana mais frio de toda a minha vida. Eu sei, eu sei: tem lugares com neve e temperaturas muito abaixo de zero, mas esses eu não conheço ainda, ou visitei no verão. Então, queiram ou não, a Dublin gelada vai estar pra sempre no meu coração com esse título. But, ok. O que é um inverno gelado para quem está na Europa? Foi maravilhoso mesmo assim.

Posso dizer então que Dublin é uma cidade gelada com um coração quentinho. Distinta e conservadora, é conhecida no mundo inteiro pela cerveja Guinness e pelo U2, mas tem muito mais a oferecer, principalmente para quem gosta de cultura e badalação. Não por acaso, vários escritores de peso nasceram na cidade: Bram Stoker, do Drácula, e Oscar Wilde são uns dos mais famosos. A capital da ilha esmeralda é banhada pelas águas do Rio Liffey e é a maior cidade do país. Apesar de grande, a cidade tem um transporte público super fácil e eficiente, e por isso foi muito bom percorrer Dublin de ônibus.

Viajei para a cidade em dezembro de 2013, no meio da minha viagem a Londres, e antes de viajar para Paris, Amsterdam e Lisboa. As construções elegantes e medievais de Dublin são herança de celtas, normandos e vikings, e por isso deixam o lugar tão encantador. A impressão que tive é de que é muito fácil viver por lá, e passeando pela principal avenida no centro da cidade, a O’Connell Street, posso dizer que Dublin não deixa nada a desejar em relação a outras capitais europeias.

Como todo mundo sabe, irlandeses adoram beber. Ir a Dublin e não visitar a fábrica da Guinness ou ir a pelo menos dois pubs diferentes é o mesmo que ir pro Rio e não ver o Cristo. O Temple Bar é um bairro boêmio que concentra os bares e as lojas mais legais. Tomar uma pint nas tradicionais canecas de 568 ml é programa obrigatório, até mesmo para quem não gosta muito de beber. A gastronomia tradicional também não é de se jogar fora: cordeiro, peixe e batata são alguns dos preferidos dos irlandeses.

Durante o tempo em que fiquei em Dublin, estive tão feliz que parei de reclamar tanto do clima. Aliás, descobri que os moradores locais adoram falar mal do tempo, então tá tudo certo… afinal, reclamar da chuva não deixa eles menos simpáticos e acolhedores. Experimente ficar perdido em Dublin: sempre vai aparecer alguém para ajudar ou indicar o caminho, e por isso a fama de bonzinho do povo irlandês. Por sinal é um dos povos mais queridos e festivos da Europa, e não por acaso muitos brasileiros escolhem o país para fazer intercâmbio. Deixei o lugar com um aperto no peito, e me arrependi de não ter viajado também para o interior e pela costa oeste da ilha – cheia de formações rochosas e grama verde esmeralda. Espero voltar em breve – mas da próxima vez quero ir em março – especialmente para acompanhar as comemorações do St. Patrick’s Day, que acontece no dia 17. Quem sabe, a festa em que eles pintam o corpo de verde e fazem um trajeto etílico pelas ruas, mostrará um coração ainda mais quentinho de Dublin.

Imperdíveis em Dublin:

Dublin Literary Pub Crawl – para quem adora literatura, há um tour guiado por dois atores que levam aos pubs da cidade que foram frequentados por escritores célebres.

Docklands – região com arquitetura antiga, cheia de igrejas e monumentos, além de construções modernas também.

Irish Film Institute – tem um calendário anual de mostras de cinema, por isso vale a pena ficar atento as datas.

Guinness Storehouse – é a fábrica da cerveja mais famosa da Irlanda, onde dá para ver todo o processo de produção da bebida.

Calçadão da Grafton Street – um lugar lotado de lojas descoladas e gente charmosa.

National Gallery of Ireland – pra quem aprecia arte, vale a pena conhecer as obras impressionistas irlandesas.

Castelo de Dublin – complexo de estruturas de várias épocas forma um castelo maravilhoso. Os jardins atrás dele abrigavam o Dubh Linn (piscina escura), que deu nome à cidade.

Trinity College – universidade fundada em 1592. Sua biblioteca possui um exemplar da primeira edição de todos os livros lançados na Grã Bretanha e Irlanda desde 1801, e tem 3 milhões de livros e manuscritos armazenados em oito prédios.

The Clarence Hotel – fica no Temple Bar e pertence a ninguém menos que Bono Vox. Para quem não quer pagar a diária salgadíssima, pode frequentar o bar do hotel, The Octagon, que é super badalado.

The Temple Bar – é o bairro queridinho e tradicional de Dublin, com mais de 160 anos é um reduto boêmio.

The Brazen Head – um dos mais antigos e conhecidos pubs irlandeses, com música local ao vivo todas as noites.

The Porterhouse  – pub incrível que se destaca por fabricar as próprias cervejas, como a Chiller.

  1. Eliza

    junho 29, 2017 at 11:38 pm

    Amo Dublin mais do que chocolate!

    1. Deni

      junho 30, 2017 at 6:14 pm

      Também adorei a cidade, Eliza! Beijos

Comments are closed.